Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

Apresentados

Satin

Se eu morrer novo voa-me daqui para fora, para a cabana da Costa e relembra cada ruga das minhas mãos com vontade de alcançar o amanhã ccom mais força que estas mãos gastas possuem. Rouba cada caixa que é tua na cabana da Costa e fá-las voar ao lado da minha alma, que alcança as nuvens num turbilhão. Se eu morrer novo, não me enterres, já to disse. Faz-me voar pelas teclas do piano e faz-me estremecer pelas nota musicais que voam também. Faz-me voar pelo vinho da meia-noite e pelas açordas das quatro. Mas não me enterres. Não me prendas num pensamento fechado, com as costelas e as rugas das minhas mãos vermelhas e eleva-me bem para longe do que é quotidiano. Afasta-te. Cresce e constrói. E sorri enquanto voas, alcança o amanhã com força e com o espírito desligado das vozes gagas e a falta de força num aperto de mão. Constrói. Constrói aquilo que eu não construí e vive lá. Quais paredes feitas de pedra, com um coração de palha. Faz-me voar pelos quadros velhos.
Se eu morrer novo entreg…

Mensagens mais recentes

Flor De Fogo

Rendez-vouz

M

Escolho

The Last Letter

10:13

Três anos

My Last Waltz